20.1 C
São Paulo

Universidade de Oregon utiliza NFTs para ajudar estudantes-atletas

É Pop!

As tecnologias baseadas em blockchain oferecem diversas oportunidades de aplicações e usos. A Division Street, companhia criada para ampliar oportunidades de estudantes atletas da Universidade de Oregon, lançou uma coleção de NFTs para ajudar estudantes-aletas mulheres que participam do Oregon Ducks. 

A coleção se chama Visions of Flight (Visões de Vôo) e comemora os 50 anos do Nono Artigo das Emendas da Educação de 1972. A Lei Federal proibiu que qualquer pessoa fosse discriminada ou excluída em escolas e programas educacionais que recebem investimento do governo federal com base no sexo. Leis anteriores já haviam proibido a discriminação baseada em cor, etnia e nacionalidade.

Os itens são assinados por pela ilustradora e designer gráfica Lili Tae e pela jogadora de basquete do Oregon Ducks Sedona Prince. A jogadora disse que “poder colaborar com Lili Tae para trazer nossas vozes à vida de uma forma tão inovadora e que beneficia todas as mulheres atletas participantes do Ducks é uma vitória absoluta”. 

A artista responsável pelo projeto, Lili Tae, disse que a jogadora Sedona Prince também a inspirou. A ilustradora se definiu como uma pessoa tímida e relata que “ver o vídeo de Sedona me inspirou a lembrar que é ok você falar por si mesma e que existem pessoas que vão te apoiar. Estou feliz de ser parte de um projeto que espalha essa mensagem positiva para outras mulheres que enfrentam o mesmo problema”. 

A coleção contém 12 NFTs únicos baseados na personalidade de estudantes e jogadoras da Universidade de Oregon. Além de Prince, Briana Chacon, Jadyn Mays, Harper McClain, Terra McGowan, Blessyn McMorris, Allison Mulville, Gloria Mutiri, Brooke Nunerviller, Te-Hina Paopao, Croix Soto e Alyssa Wright serão homenageadas. As estudantes praticam diferentes esportes, desde vôlei e basquete até golfe e lacrosse.

Em release enviado para imprensa, a atleta Sedona Prince declarou: “é incrivelmente importante para mim usar minha plataforma para empoderar mulheres estudantes e atletas agora e pela próxima geração.”

“A CEO da Division Street, Rosemary St. Clair, ressaltou a importância da coleção, que se inspira em duas mulheres da universidade que “regularmente usam suas vozes e suas plataformas para mudar o panorama dos esportes com mulheres.” Conforme publicado pelo NFT Now, a CEO também afirmou que “a inovação e a comunidade da Web3 irão beneficiar a próxima geração de mulheres estudantes e atletas.” 

Além de possuírem uma arte digital única, os donos dos NFTs podem ajudar jovens atletas da universidade a se manterem no esporte e nos estudos. E o comprador não pode saberá qual arte comprou, até o NFT estar pago e depositado em sua carteira digital. 75% dos lucros da coleção vão se destinar às atletas participantes, divididos igualmente entre elas. A Division Street irá manter 25% como forma de arcar com os custos do projeto. 

A cada vez que um dos itens for vendido em um mercado secundário, um royalty de 10% será destinado a uma carteira criada pela Division para beneficiar estudantes e atletas da Universidade de Oregon. 

NFTs como ações beneficentes

Como já foi dito, os NFTs possuem diversas aplicações e já foram usados outras vezes como parte de ações beneficentes. Quando a Rússia invadiu a Ucrânia, algumas iniciativas foram feitas no setor. A revista Time lançou o TimePieces, um leilão de NFTs em que 100% dos lucros foram revertidos para esforços humanitários na Ucrânia. 

- Advertisement -spot_img

Leia também

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisement -spot_img

Últimas Notícias