21.3 C
São Paulo

Supermercado de vencidos evita desperdício na Dinamarca

É Pop!

 

A Dinamarca está resolvendo seu problema com desperdício de alimentos de uma forma inovadora: Copenhague agora tem seu primeiro supermercado de alimentos vencidos. Os produtos do WeFood são vendidos com um grande desconto, e tem como objetivo redirecionar alimentos que passaram da data de validade ou possuem embalagem danificada, evitando que estes acabem no lixo. Se o modelo for aprovado pela população e tiver um impacto efetivo na redução do desperdício, pode servir de exemplo a outros países.

O WeFood vende seus produtos alimentícios com um desconto de até 50% em comparação com o mercado regular (Divulgação/WeFood).

Anualmente, a nação dinamarquesa descarta cerca de 700 mil toneladas de alimentos. Em escala global, o número supera 1,3 bilhão de toneladas, quantidade equivalente a um terço de todos os alimentos produzidos, e que poderia ser direcionado a um público consumidor alternativo.

Apesar de outros países, incluindo os Estados Unidos, possuírem espécies de “outlets” para os excedentes, como produtos com embalagens danificadas, design antigo ou qualquer outro fator que tenha interrompido a distribuição de determinado lote, raramente são vistos produtos vencidos. No WeFood, todos os alimentos são comercializados com descontos de até 50% em comparação às lojas regulares. Isso é uma grande vitória aos consumidores que precisam mexer em suas economias numa ida ao mercado, ao mesmo tempo em que é uma solução alternativa para evitar que alimentos bons sejam jogados fora.

O supermercado não tem como público-alvo apenas consumidores de baixa-renda, mas todos aqueles que se preocupam com a questão do desperdício de alimentos (Divulgação/WeFood).

“O WeFood é o primeiro supermercado desse tipo na Dinamarca… não apenas destinado a clientes de baixa renda, mas a qualquer um que se preocupe com a grande quantia de resíduos produzidos nesse país”, declarou Per Pjerre da ONG “DanChurch Aid”, que está por trás do novo mercado. “Muitas pessoas veem isso como uma forma positiva e politicamente correta de abordar a questão.”

comente
- Advertisement -spot_img

Leia também

- Advertisement -spot_img

Últimas Notícias