Quanto paga o 0 na roleta?

Você sabe quanto paga o 0 na roleta? Esse número é conhecido como a margem pelo fato das apostas mais comuns desse jogo de cassino — nas cores preto e vermelho — terem um pagamento de 1 para 1. O zero, porém, não contempla essas apostas.

É possível fazer uma aposta individual nesse número, mas qual é o retorno? Neste post você vai descobrir a resposta para essa pergunta e muito mais. Acompanhe!

Como se joga na roleta?

Jogar roleta — seja ela a Americana, Europeia ou qualquer outra — é bastante emocionante e as suas regras são muito simples. O jogo envolve somente uma bola e uma roda numerada que tem espaços vermelhos e pretos, cada um com um número de 1 a 36. Também existe um espaço verde com o número zero.

Você pode fazer apostas nos números, nas cores, em grupos de números — pares ou ímpares — e outros tipos de resultados possíveis. A bola é lançada na roda giratória e o número no qual ela parar é o vencedor.

Quanto paga o 0 na roleta?

Se você apostar no zero, significa que fez uma aposta direta — ou seja, apostou em um único número. Na roleta, essas apostas pagam 35 para 1, o que em outras palavras significa que se você apostar R$ 1 e ele for o vencedor, receberá R$ 35.

O número da sua aposta, então, sempre será multiplicado por 35. Isso acontece porque a probabilidade se torna pequena, mas se você acertar, o retorno é bem lucrativo.

Quais são as melhores estratégias para apostar no zero na roleta?

Como você já sabe, a probabilidade que a bola tem de cair no zero é de apenas 2,7%. Isso significa que isso teoricamente só acontece uma a cada 37 rodadas. Então, para maximizar os seus resultados, você pode utilizar algumas estratégias de apostas predefinidas.

Duas opções bastante utilizadas são o sistema Martingale e o Labouchere. Ao combinar um sistema de apostas com uma estratégia de gerenciamento de ganhos e perdas bem definida, você pode melhorar — e muito — a sua relação com o jogo.

Vamos considerar, por exemplo, que a chance da bola cair no zero seja de 2,7% com um pagamento de 35x. Depois de observar o histórico da roleta, percebeu que o número zero não foi sorteado em 40 rodadas consecutivas. Com base nisso, você decidiu fazer até 30 apostas consecutivas nesse número.

Mesmo que cada rodada seja independente e as chances de cair no zero sejam sempre de 2,7%, se a bola não cair nesse número em 70 rodadas consecutivas — as 40 em que você não apostou + as 30 em que apostou) —, significa que não foi o seu dia de sorte.

Esse exemplo simples demonstra que sempre vão existir riscos ao apostar na roleta. Mas, com uma estratégia bem definida, as suas chances podem melhorar em relação a aqueles jogadores que jogam de maneira aleatória.

Dicas para jogar roleta

Jogar na roleta oferece a você diversas maneiras de apostar. Seguir algumas dicas, como as listadas a seguir, podem aumentar a sua chance de ter sucesso.

Conheça bem as suas chances

A roleta oferece uma grande variedade de opções de apostas. Sabendo disso, o indicado é que você descubra como elas são e o quanto pagam. Depois de já ter adquirido esse conhecimento, passe a se concentrar nas apostas que ofereçam os melhores ganhos com os menores riscos.

Tenha em mente que as opções 50/50 podem ser vantajosas, já que com elas é possível ganhar metade das vezes. Essas opções, por exemplo, incluem as apostas de 1 a 18, 19 a 36, par ou ímpar e vermelho e preto.

Evite apostar nos azarões

Depois que você aprender sobre as suas chances na roleta, vai perceber que é mais difícil ganhar em algumas apostas do que em outras. A sugestão aqui, então, é evitar as apostas difíceis.

Uma das piores apostas em nível de dificuldade é a em que se aposta em um único número — chamada de azarão. Na aposta plena, por exemplo, o pagamento é de 35 para 1, mas a sua sorte precisa ser grande para acertar desse modo.

Gerencie a sua banca

Ao jogar roleta, é essencial ter um plano de gestão de banca. Ou seja, é preciso estabelecer um valor que você esteja disposto a arriscar em cada rodada e, a partir daí, dividir a sua banca em unidades menores.

O indicado é aplicar o princípio de apostar uma porcentagem pequena da sua banca em cada aposta — cerca de 0,5% a 2%. Isso vai ajudar a protegê-la contra perdas significativas e permitirá que você jogue por mais tempo.

Viu só quanta paga o 0 na roleta? Agora você já tem mais conhecimento para se entreter nesse jogo online. Se quiser conhecer outras opções, o Aviator pode ser o jogo ideal para você!

O Metaverso é o futuro do Futebol?

Imagine a cena. Você está sentado nas arquibancadas do estádio do seu time, enquanto debate com seus amigos sobre o desempenho de um jogador específico. Vocês discutem sobre como tal atleta está na partida no entanto, não entram em acordo, então você pega seu telefone, aponta para o campo, clica na cabeça do jogador e exibe todas as estatísticas dele no jogo. Em tempo real.

Já é possível fazer exatamente isso em certas partes do mundo, no entanto, a expectativa é que tal tecnologia tenha uma adoção generalizada nos próximos anos. Essa é apenas a ponta do iceberg rumo a uma cultura onde a realidade virtual, a realidade aumentada e o metaverso só se tornarão mais influentes no entretenimento, e isso se aplica, claro, ao futebol.

A realidade virtual vai muito além de fones de ouvidos inteligentes e óculos gigantes de realidade aumentada. Essa indústria emergente tem tudo para que nos próximos anos muita coisa que antes eram vistas apenas em filmes de ficção, estejam dentro do nosso cotidiano.

Especialistas explicam a aplicação do Metaverso no Futebol do futuro

Em matéria produzida em 2023, a TV britânica  Sky Sports conversou com alguns nomes importantes que trabalham no futuro da tecnologia no futebol para descobrir como sua tarde nas arquibancadas (seja real ou virtual) podem ser em 2043.

Alguns fãs já experimentaram algo parecida. Os torcedores de futebol americano e beisebol nos EUA por exemplo, conseguem aproveitar bônus adicionais nos dias de jogo quando pegam seus smartphones e apontam para o campo.

Eles podem jogar itens virtuais no gramado no meio da partida, enquanto observam os outros fazerem o mesmo, ou passar o tempo durante os intervalos assistindo versões digitais de seus jogadores favoritos dançando em torno de seu estádio, como se isso estivesse acontecendo bem na frente deles.

Isso pode parecer brincadeira de criança. E, no momento, é em grande parte. Mas já é um grande passo para os torcedores que buscam esta forma diferente de “consumir” o seu esporte predileto.

O nosso tão amado futebol não ficará atrás da curva para sempre. As recompensas financeiras potenciais por aderir um VR e AR serão atraentes demais para serem resistidas em breve, como disse o especialista em finanças do futebol Kieran Maguire à Sky Sports.

“Muito será determinado pela forma como o futebol irá gerar dinheiro daqui a 20 anos”, disse ele. “No momento, são vendas de ingressos, transmissões e receitas comerciais.

“Olhando para o futuro, fala-se na ascensão do metaverso, VR e AR para levar um dia de jogo às casas das pessoas.”

Então aguarde, que em breve poderá estar sentado em um estádio assistindo a um gol do seu time com toda aquela atmosfera, através de seus óculos inteligentes, no entanto, no conforto do seu sofá enquanto as comemorações virtuais cobertas por anúncios digitais se desenrolam ao seu redor.

Atleta brasileiro abre o jogo após supostamente estar envolvido em golpe de Criptomoedas

O atacante Willian Bigode, novo torcedor do Santos na Série B, falou nesta sexta-feira (12) sobre a possibilidade de fraudes financeiras relacionadas a investimentos em criptomoedas. A denúncia foi feita por Gustavo Scarpa, ex-companheiro de Mike no Palmeiras.

Willian ressaltou que embora a situação fosse vergonhosa, ele também foi vítima da Xland Holding Ltda, empresa que prometia retorno financeiro aos investidores.

“Vou ser direto e objetivo. É um assunto que eu trato externamente, uma situação que nunca passei nem próximo, uma situação de muita tristeza, constrangimento muito grande. O mais importante é focar naquilo que minha família depende, que é o que faço com muito amor”, declarou Bigode.

“Acredito que Deus estava preparando o momento certo para vir para cá (Santos), conhecer meus novos companheiros no Santos. Estou feliz e convicto de que as coisas acontecerão aqui dentro. A cabeça está ótima aqui, estou com a cabeça boa. É uma situação que não é normal, mas é uma situação que não vou falar mais. Sei do meu caráter, da minha identidade, quem eu sou, e quero me manter focado no meu trabalho”, afirmou.

Entenda como ocorreu o suposto golpe

Os jogadores Gustavo Scarpa e Mayke compareceram à Justiça após perderem cerca de R$ 10,3 em seus investimentos em criptomoedas, segundo a gestora financeira WLJC. Um dos parceiros do WLJC é o atacante do Fluminense Willian Bigode, que na época estava no Palmeiras.

Os três jogaram juntos no Palmeiras de 2018 a 2021. O investimento foi realizado na Xland Holding Ltda através da Soluções Tecnologia Eireli. Prometemos lucros mensais de 3,5% a 5%.

Scarpa, que atualmente trabalha no Atlético-MG, investiu 6,3 milhões de reais na empresa do amigo. Após nenhum resultado ou resultados futuros, o meio-campista pediu à Xland Holding Ltda a rescisão de contrato.

Na ocasião, Scarpa foi informado que os recursos seriam devolvidos e o valor investido seria devolvido em até 30 dias úteis. Mas nada disso aconteceu. Um novo prazo foi definido, mas novamente o dinheiro não foi devolvido aos jogadores.

O lateral-direito Make, que ainda joga no Palmeiras, está em situação semelhante. O jogador investiu R$ 4 milhões na Xland Holding. Pelo mesmo motivo, ele solicitou a recomposição dos lucros em outubro do ano passado, após a empresa de Willian Bigodet prometer pagar em até 10 dias úteis. O dinheiro não foi devolvido até hoje.

Mascote de grande marca esportiva ganha seu próprio NFT

A empresa esportiva PUMA deu ao seu icônico mascote de desenho animado “Super PUMA” uma transformação digital como parte de um novo PFP NFT, que celebra o 75º aniversário da empresa de uma forma divertida e inovadora.

“Super PUMA” era uma história em quadrinhos lançada originalmente pela empresa na década de 1970. Vivendo como uma obra de arte digital única que pode ser usada como foto de perfil nas redes sociais, o revigorado personagem de quadrinhos destacará os momentos históricos da PUMA no esporte, ao mesmo tempo que cria um enredo original.

À medida que o espaço virtual se torna cada vez mais importante para o público jovem e conhecedor de tecnologia, a PUMA lançou vários projetos Web3, culminando no seu desfile na New York Fashion Week em setembro de 2022, um regresso altamente esperado para a empresa que apresentou as suas inovações digitais.

“A crescente comunidade Web3 da PUMA desempenhou um papel importante no lançamento deste novo projeto”, disse Adam Petrick, Diretor de Marca da PUMA. “Ouvimos o que a nossa comunidade queria e o Super PUMA PFP NFT é o resultado disso. É um grande projeto iniciar o nosso 75º aniversário como uma expressão do mantra da nossa marca – Forever Faster – apoiando-se na nossa história e herança para impulsionar o desporto e a cultura através do design e da inovação.”

Quantidade e acesso aos NFTs da Puma

O Super PUMA PFP NFT complementará outro projeto NFT em andamento da PUMA, a Coleção Nitro, que continuará a ser o veículo da PUMA para lançar estilos de calçados novos e inovadores. Os atuais titulares de NFT da Nitro Collection continuarão a obter primeiro acesso à próxima onda futurista de calçados da PUMA e receberão um PFP NFT para cada Nitro Collection NFT que possuírem. Além disso, como parte da parceria da PUMA com a 10KTF, o Super PUMA PFP NFT fará parte do ecossistema 10KTF. 10.000 Super PUMA PFP NFTs estarão disponíveis no total. No final de fevereiro, todos os detentores de NFT da Nitro Collection receberão um Super PUMA PFP, 4.000 Super PUMA PFPs adicionais serão vendidos publicamente para não detentores de NITRO, enquanto os 2.000 restantes serão guardados para a parceria da PUMA com 10KTF.

Além disso, o Super PUMA NFT será uma coleção de parceiros 10KTF. A PUMA será a primeira marca tradicional a ter um PFP no ecossistema 10KTF. Isso permitirá que os titulares coloquem seu Super PUMA em espaços em branco 10KTF e participem de missões 10KTF.

O anúncio do Super PUMA PFP NFT marca o aniversário de um ano desde que a PUMA se tornou uma das primeiras marcas a registrar seu domínio ENS, Puma.eth, em fevereiro de 2022. Além disso, marca a primeira de várias inovações digitais que a marca planeja lançar neste ano. ano, à medida que continua a usar a Web3 como veículo para o seu “FOREVER.FASTER”. missão. Isto incluirá ofertas de produtos phygital novos e inovadores e colaborações com marcas parceiras credíveis através de parcerias crescentes.

Conheça as 3 maiores parcerias entre Esportes e empresas de Tecnologia

No mundo de hoje, a tecnologia e os esportes estão cada vez mais interligados. A capacidade de recolher grandes quantidades de dados e traduzi-los em insights e melhorias pode fazer toda a diferença entre ganhar e perder, tanto no mundo empresarial como no mundo desportivo.

À medida que as organizações esportivas e tecnológicas procuram cada vez mais obter melhores tomadas de decisões quanto a benefícios para melhores experiências dos fãs, vão surgindo novas técnicas e tecnologias inovadoras dentro de grandes empresas do ramo.

Confira então as 3 das principais parcerias que combinam o melhor do mundo da tecnologia e dois esportes:

1- IBM

A IBM tem diversas parcerias com organizações esportivas, desde golfe e tênis até a NFL, mostrando o poder dos projetos IBM Cloud e do Masters para milhões de fãs em todo o mundo.

O Masters gerencia um enorme volume e variedade de informações, usando uma arquitetura de malha de dados construída com o IBM Cloud. Os dados do torneio em específico são capturados, encaminhados, analisados e transformados em insights em tempo real encontrados no aplicativo próprio.

O Masters usa vários recursos diferentes de IA para transformar dados brutos em insights significativos para a experiência digital. O processo é totalmente automatizado, ajudando a equipe da Masters Digital a produzir conteúdo digital com rapidez.

Wimbledon também trabalha em estreita colaboração com a IBM Consulting para fornecer aos fãs interações gerados por IA e experiências digitais de classe mundial. Seu comentário de IA é um novo recurso para 2023 que adiciona narrativa falada gerada por IA aos rolos de destaque de vídeo. Isto é conseguido através da utilização de grandes modelos de linguagem e serviços generativos de IA acessíveis através do watsonx, que passaram por formação adicional no domínio e dados específicos de Wimbledon para produzir narrações relevantes e fiáveis dos rolos de destaque dos jogos.

Outro novo recurso para 2024 é a AI Draw Analysis, que utiliza o IBM Power Index e as previsões de probabilidade de ganhar para avaliar o caminho potencial de cada jogador até a final.

2- AWS

Algumas das principais organizações esportivas do mundo estão aproveitando a AWS para aumentar o envolvimento dos torcedores, produzir insights a partir de análises de desempenho, criar transmissões ao vivo aprimoradas e oferecer experiências inteligentes em locais, ao mesmo tempo em que permitem mais flexibilidade, custos reduzidos e maior retorno sobre o investimento.

Por meio de sua parceria com a NFL, a AWS ajuda os responsáveis pela programação a criar um cronograma justo e equilibrado todos os anos. Assim que o Super Bowl termina, a NFL começa a executar um algoritmo para analisar mais de 100.000 programações de temporada em potencial até encontrar a ideal, aproveitando mais de 4.000 instâncias do Spot do Amazon EC2 para fazer isso.

A AWS também tem parceria com a Fórmula 1. Durante cada corrida, 120 sensores em cada carro geram 3 GB de dados, com mais de 1.500 pontos de informações datais sendo criados a cada segundo. A F1 usa o Amazon SageMaker para treinar modelos de aprendizagem profunda com 65 anos de dados para fornecer aos fãs estatísticas, previsões e insights sobre decisões instantâneas tomadas por equipes e pilotos, transmitidas em tempo real.

A AWS também trabalha com a NHL para lançar novas estatísticas avançadas. O mesmo que faz com a liga de futebol alemão, a Bundesliga, usando serviços de IA/ML, análise, computação, banco de dados e armazenamento da AWS para oferecer uma melhor experiência aos fãs.

3- SAP

A SAP simplifica as operações comerciais dos seus parceiros desportivos, permitindo que ligas, equipes e organizações se tornem mais eficientes, lucrativas e bem-sucedidas.

Sendo um dos clubes de futebol profissional de maior sucesso do mundo, o multi campeão alemão e continental, FC Bayern confia no SAP SuccessFactors para gerir o seu RH e melhorar a experiência dos funcionários.

A tecnologia SAP também está ajudando a equipe Mercedes-Benz EQ Formula E a impulsionar o desempenho, dentro e fora da pista, por meio da implementação de experiência inteligente e gerenciamento de dados.

E, desde 2012, a SAP firmou parceria com a National Basketball Association (NBA), a Women’s National Basketball Association (WNBA) e a NBA G-League para aproveitar dados e análises por meio de estatísticas, desenvolvido pelo SAP HANA, para transformar um jogo de basquete para o torcedor uma verdadeira experiência.

Patrocinadora de time da Premier League planeja investir em IA no futebol

Os especialistas em tecnologia esportiva Infinite Athlete e Gemini Sports Analytics firmaram uma parceria para criar uma plataforma de inteligência artificial (IA) que ajudará as organizações esportivas a tomar melhores decisões dentro e fora do campo.

A Infinite Athlete expandiu além de sua ambição original de usar IA para auxiliar na criação de conteúdo para criar um “sistema operacional para esportes”. Está a construir uma rede de parcerias para apoiar esta visão, trabalhando com outras empresas inovadoras de tecnologia desportiva.

A Gemini Sports Analytics fechou recentemente uma rodada de financiamento inicial de US$ 3,25 milhões para continuar o desenvolvimento de sua plataforma de insights baseada em nuvem alimentada por IA. Sua lista de clientes inclui o Indianapolis Colts da National Football League (NFL) e a faculdade americana Texas A&M, enquanto também trabalha com a gigante de dados esportivos Sportradar.

Especialistas explicam o investimento em IA de empresa tecnológica

“A Gemini Sports Analytics aproveitará a tecnologia FusionFeed baseada em IA da Infinite Athlete para criar insights aprimorados para organizações esportivas – equipes técnicas e front offices agora poderão ver o jogo sob uma lente totalmente nova”, disse Jake Schuster, executivo-chefe da Gemini Sports Analytics.

“Esta parceria permitirá que as equipes façam mais com menos e resolvam questões complexas rapidamente. Ele também permite que clientes mútuos se integrem rapidamente, reduzam a ingestão de dados e monitorem dores de cabeça e aproveitem nossos numerosos relacionamentos com parceiros de dados para aproveitar vários feeds de dados aprimorados de uma fonte, a fim de gerar valor com mais facilidade de seus ricos conjuntos de dados internos e externos.”

“Ao implantar nossa tecnologia FusionFeed por meio da plataforma Gemini Sports Analytics de alta potência, os parceiros de equipes e clubes poderão agora aproveitar um conjunto de dados mais rápido, eficiente e preciso que pode ser usado para ajudar a tomar melhores decisões baseadas em dados em relação ao recrutamento,desenvolvimento de jogadores, táticas, gerenciamento de escalação e até mesmo desempenho do atleta”, acrescentou Casey Miller, vice-presidente de parcerias estratégicas da Infinite Athlete.

Metaverso Esportivo da EA pode estar em desenvolvimento

Embora a especulação selvagem em torno dos metaversos tenha se acalmado um pouco no ano passado, a ideia está longe de morrer, com várias empresas ainda trabalhando arduamente tentando encontrar maneiras de integrar todas as suas propriedades em um espaço enorme e interconectado. O último a discutir essas ideias é a Electronic Arts, com o CEO Andrew Wilson respondendo a uma pergunta durante a teleconferência de hoje sobre um potencial metaverso da EA Sports com o que parece muito com um plano concreto para fazer um em um futuro próximo.

Durante a parte de perguntas e respostas, perguntaram a Wilson se ele já havia pensado em “pegar todas as suas comunidades esportivas isoladas e pensar em uma maneira de reuni-las” para “apenas criar, por falta de uma palavra melhor, um metaverso? ”

A isso, Wilson deu uma resposta longa descrevendo uma série de razões pelas quais uma editora como a EA poderia considerar fazer exatamente isso. Ele começou reiterando a enormidade da comunidade de jogadores da EA: mais de 700 milhões de jogadores, dos quais cerca de metade interage de alguma forma com o catálogo de esportes. A própria EA Sports é, segundo Wilson, “uma das marcas esportivas mais conhecidas e reconhecidas”. E as próximas gerações Z e Alpha, continuou ele, costumam usar a EA Sports como ponto de entrada para o amor pelos esportes em geral.

“O que sabemos ser verdade neste momento é que os nossos jogadores passam em média cerca de 90 minutos por sessão dentro de um dos nossos jogos. Eles então deixam aquela experiência de jogo onde estiveram profundamente conectados com sua unidade principal de amigos, então eles vão e falam sobre essa experiência em outra plataforma, então eles vão e criam conteúdo sobre essa experiência em outra plataforma, então finalmente eles vão e assista esse conteúdo em outra plataforma. Acreditamos que temos uma oportunidade significativa nos próximos anos para aproveitar o poder dessa comunidade dentro e fora dos nossos jogos, que é realmente o terceiro pilar da nossa estratégia central, e será liderada pela nossa marca EA Sports”.

EA vê como o Metaverso como grande oportunidade

Wilson reiterou que embora não tivesse nada a anunciar hoje, a EA vê “uma oportunidade incrível” em todas estas relações interligadas entre a popularidade da EA Sports, como os jogadores se comportam dentro e fora dela, e como pode interagir com outras experiências. “Então o melhor que posso dizer é: observe este espaço”, concluiu.

Embora as especulações sobre o metaverso tenham esfriado no ano passado, a estratégia de Wilson parece muito mais tática e focada do que algumas das propostas mais grandiosas do metaverso lançadas por empresas como Epic e Meta no passado. E seus comentários não são chocantes à luz do sucesso contínuo da empresa na EA Sports. No relatório de lucros de hoje, a EA relatou reservas líquidas de US$ 2,37 bilhões e receita líquida de US$ 1,945 bilhão para o trimestre encerrado em 31 de dezembro de 2023, em grande parte impulsionado pelo desempenho do EA Sports FC superando as expectativas com um crescimento de 7% ano a ano. E isso nem chega às outras propriedades: NHL, UFC, F1, PGA Tour, WRC e o tão aguardado EA Sports College Football. Com os seus serviços ao vivo representando agora 73% dos negócios da EA, não é surpresa que a EA queira encontrar formas de capitalizar esse poder, especialmente agora que está provado que não precisa do nome FIFA associado para ter sucesso.

Junção de sites de apostas com Criptomoedas pode ser crucial para o crescimento do mercado; Entenda

A criptografia existe para os intermediários. A indústria está mais do que preparada para substituir estas engrenagens parasitas por alternativas descentralizadas, transparentes e seguras.

Mas o aplicativo matador da criptografia – a forma como a criptografia realmente será lançada no mercado – ainda não chegou.

Alguns dos meus líderes de pensamento criptográficos favoritos dizem há anos que o verdadeiro aplicativo matador serão os mercados de previsão, NFTs, imóveis tokenizados, metaverso, etc. Mas estou aqui para dizer agora que nenhum desses é o aplicativo matador da criptografia. Embora sejam oportunidades especulativas interessantes que oferecem exposição diversificada ao mercado, estes mercados não são suficientemente grandes para integrar o próximo milhão ou mil milhões de utilizadores no mundo on-chain.

As apostas esportivas são o aplicativo de consumo de criptografia que todos esperavam e que pode se beneficiar muito com a descentralização. Se há algo que aprendi em meus anos na indústria de criptografia, é que o caso de uso final da criptografia é desintermediar os mercados, oferecendo soluções descentralizadas e ponto a ponto.

O Bitcoin desintermedia o mercado de tecnologia fiduciária e de poupança, oferecendo uma alternativa ao dólar americano. Plataformas de contratos inteligentes como Ethereum eliminam a confiança intermediária, permitindo a criação de aplicativos peer-to-peer sem confiança, sem permissão.

Mas, além dessas duas moedas, surgiram outras partes da criptografia que removem o intermediário até mesmo dentro da criptografia: o Uniswap oferece troca de tokens que reduz a dependência de trocas centralizadas; Render Network oferece acesso descentralizado ao poder de computação da GPU; e mercados monetários como Aave e Compound oferecem acesso a capital e empréstimos sem permissão, em vez de ter que passar por bancos.

E as apostas esportivas são uma indústria com muitos intermediários e em rápido crescimento que se beneficiaria particularmente da capacidade da criptografia de eliminar esse intermediário.

O crescimento das casas de apostas junto a Criptomoedas

Em 2022, as receitas de apostas desportivas ultrapassaram os 7,5 mil milhões de dólares, ao mesmo tempo que aumentaram 75% em relação ao ano anterior – este crescimento é superior a todos os outros fluxos de receitas de jogos combinados (slots, jogos de mesa, iGaming, etc.). Os dispositivos móveis também reduziram muitas barreiras à entrada e são muito mais convenientes para depósitos –– 70% de todas as apostas são feitas online. Combine isso com uma taxa composta de crescimento anual (CAGR) de 10,3% e 46% dos adultos americanos tendo feito pelo menos uma aposta esportiva no ano passado, e você terá um mercado de crescimento incrivelmente rápido para interromper.

Mas o problema atual com as apostas desportivas é o intermediário na forma de casas de apostas que normalmente cobram uma “vig” ou taxa de 10% por cada aposta. Quer você ganhe ou perca, você paga 10%. Uma espécie de imposto oculto.

Assim como as bolsas descentralizadas como a Uniswap tornaram as bolsas melhores e mais eficientes com o advento dos criadores de mercado automatizados (AMMs), um modelo semelhante (como uma carteira central de ordens com limite) pode substituir as casas de apostas nas apostas desportivas.

A criptografia também pode maximizar a eficiência do capital, permitindo que os usuários façam mais apostas com menos dinheiro, eliminando fraudes e riscos de contraparte. O uso de trilhos blockchain permite novos modelos de negócios e sistemas que nunca foram possíveis em sistemas tradicionais.

Os projetos podem usar tokens para incentivar e integrar usuários por meio da mineração de liquidez (ou mineração de apostas), onde os usuários que apostam na plataforma ou fornecem liquidez podem receber tokens em troca de ajudar a plataforma a crescer. À medida que a plataforma cresce e mais usuários são integrados, os mercados se tornam mais eficientes. Então, as plataformas podem retirar os fundos da taxa que cobram e distribuí-los aos participantes do token. Isso ajuda a gerar mais fidelidade à marca em um setor onde os custos de troca são normalmente muito baixos.

A negociação de probabilidades ao vivo é outra forma de as apostas desportivas utilizarem criptografia. Este é o movimento definitivo de degen: os usuários podem operar comprados ou vendidos nas probabilidades de um jogo e capitalizar a tendência ou direção do jogo, em vez de apenas se beneficiarem de um resultado binário (ganhar ou perder). Adicione alavancagem e margem e as coisas podem ficar realmente interessantes.

Ingressos de jogos se tornam NFTs em iniciativa de gigante do mercado tecnologico

A Avalanche comprou uma participação na Sports Illustrated Tickets e se tornou o fornecedor de blockchain para seu serviço de ingressos habilitado para NFT, Box Office.

Box Office é um serviço de bilheteria baseado em blockchain que os indivíduos podem usar para organizar eventos pagos ou gratuitos. Os chamados ingressos Super Tickets NFT habilitados pela Box Office oferecem recursos que incluem vídeos NFT, ofertas exclusivas e benefícios de fidelidade, disse a SI Tickets em um comunicado à imprensa.

Sports Illustrated Tickets é uma plataforma de venda de ingressos do mercado secundário sob a égide da Sports Illustrated. Ela aluga a marca Sports Illustrated de uma empresa de gerenciamento de marca, mas é uma empresa separada da revista em apuros, enfatizou David Lane, CEO da SI Tickets, em uma entrevista.

Desde o lançamento da plataforma em maio de 2023, cerca de 300.000 ingressos foram emitidos na bilheteria, disse a SI Tickets.

Box Office foi lançado inicialmente no Polygon com o apoio da Consensys. Ava Labs, a empresa que desenvolve o Avalanche, estava em negociações com a SI Tickets para apoiar a plataforma naquela época, disse John Nahas, vice-presidente sênior de desenvolvimento de negócios da Ava Labs. Menos de um ano depois, a SI Tickets trocou de rede.

“Polygon teve seu momento, e então eles [SI Tickets] voltaram para nós e disseram: ‘Olha, muitas das coisas que vocês prometeram que fariam e ajudariam etc., e no lado técnico, parecem ser verdade com todas as coisas que você está fazendo com todo mundo, e estamos ansiosos para mudar para o Avalanche”, informou John.

Empresa vê ingressos em NFT como o futuro dos Esportes

Ava Labs aparentemente vê muitas pro

messas na emissão de ingressos NFT. Ela investiu em outra plataforma de ingressos Web3 chamada tixbase, e na plataforma sul-coreana de ingressos para shows Dreamus integrada ao Avalanche.

Mas no que diz respeito aos ingressos NFT, a bilheteria da SI Tickets “é a perna principal de um banquinho com várias pernas”, disse Nahas.

Lane da SI Tickets expressou otimismo sobre o potencial da Web3 para o mundo da bilheteria, observando que o status quo das leituras de código de barras é “inútil” em comparação com os ingressos NFT que facilitam a verificação e podem servir como lembranças após o evento.

ESPN se une à grande nome do Metaverso em ação com o Australian Open

Os fãs de tênis terão novidades reservadas para o primeiro Grand Slan do ano. ESPN e Roblox firmaram parceria que trará a experiência competitiva para o mundo virtual.

No jogo, chamado AO Adventure, os personagens viajarão por túneis, encontrarão comentaristas, entrarão nas quadras personalizadas da ESPN e poderão competir em partidas de tênis contra o computador ou outros jogadores.

Para entrar no jogo, os participantes precisarão obter um código que será repassado às transmissões da ESPN e às redes sociais da emissora.

O jogo estará disponível para Windows, Android e iOS durante o torneio de 14 a 28 de janeiro.

A entrada no Metaverso da maior emissora voltada para os esportes do mundo, faz parte da ampla estratégia do canal para se consolidar ainda no meio digital.

Como participar no Metaverso da ESPN

Para entrar no jogo, basta o jogador obter um código, que será repassado às transmissões da ESPN e às redes sociais da emissora. Os fãs de esportes receberão recompensas online conforme você avança nas partidas virtuais.

A transmissão do Aberto da Austrália também marca o primeiro evento de Grand Slam deste ano para as emissoras da Casa Brasileira de Tênis. Em 2024, ESPN e Star+ transmitirão quatro grandes eventos, além de todos os eventos ATP e WTA 1000.