Os Simpsons aborda NFTs pela primeira vez em um de seus episódios; Confira

Os Simpsons, a série animada de sucesso que zomba da cultura e da sociedade americana, entra no mundo dos tokens não fungíveis (NFTs) e do blockchain em seu próximo episódio especial de Halloween.

Intitulado “Treehouse of Horror XXXIV”, este episódio promete ser um dos episódios mais divertidos e criativos da série. Um ponto da trama do episódio é que Bart se transforma em um NFT e Marge tem que lutar contra o blockchain para salvá-lo.

A trama também inclui outros dois segmentos que parodiam filmes de terror ou ficção científica, como “O Silêncio dos Inocentes” e “O Exterminador do Futuro”.

Alegadamente, Lisa encontrará um serial killer com a ajuda de Sideshow Bob, e a pandemia transformará o povo de Springfield em amantes preguiçosos de cerveja. No entanto, esta última parte não está diretamente relacionada ao mundo das criptomoedas.

Simpsons já “previam” boom de Criptomoeda

Os Simpsons têm uma longa história de previsão do futuro e de abordar tópicos importantes como criptomoeda e blockchain. Desde 2013, a série apresenta Bitcoin (BTC) e outras criptomoedas.

No episódio “Frinkcoin” da 31ª temporada dos Simpsons, o professor Frank cria sua própria criptomoeda e faz sucesso em Springfield. Frinkcoin é descrito como uma moeda virtual que pode ser extraída por qualquer pessoa com um computador e é usada para comprar bens e serviços em toda a cidade. Porém, a criptomoeda vira uma bolha especulativa e o personagem perde todo o dinheiro que investiu nela.

No episódio “O inverno do conteúdo monetizado”, os Simpsons são vistos assistindo a um anúncio de uma criptomoeda fictícia chamada “Criptomoeda”, que promete enriquecer rapidamente as pessoas.

Essas referências e o novo episódio especial de Halloween mostram que Os Simpsons estão sempre atualizados com os últimos desenvolvimentos no mundo da tecnologia e das finanças e nunca perdem a oportunidade de brincar e criticar esses temas.

Série de TV mostra que jovens podem invadir sistema de Criptomoedas; Entenda

Surfando na onda de popularidade das Criptomoedas, a Amazon lançou recentemente em seu serviço de streaming, o Prime Video, uma nova série original apresentando uma história sobre jovens que começam uma “briga” envolvendo Criptomoedas com o sistema financeiro tradicional.

A série “Coin Digger”, ou como foi traduzida no Brasil, “Mineradores Digitais”, é uma produção de origem tailandesa que conta uma história real de um grupo de jovens que, em 2019, tentaram derrubar o antigo sistema financeiro do país baseado em moeda fiduciária usando suas próprias Criptos.

Coin Digger ainda trata de um plano de fundo que mostra os primórdios das Criptomoedas na Tailândia, quando o bilionário do ramo imobiliário, Trin, é um dos poucos que se interessam por esse mercado no país asiático. Enquanto do outro lado da moeda, Bank, um misterioso aluno do MIT, procura uma equipe para ajudá-lo a construir uma plataforma Cripto.

Todos os episódios da primeira temporada da produção já estão disponíveis na plataforma.

Outras séries sobre Criptomoedas em Streamings

Recentemente, grandes empresas do mercado global de filmes começaram a se concentrar nos trabalhos mais importantes nos mercados de criptomoedas, blockchain, NFT e metaverso. Isso deixa amplo espaço para produção independente. Seja qual for o estúdio, a verdade é que não faltarão filmes e documentários sobre o tema em 2024.

Nomes como Rise of The Bitcoin, Magic Money e Crypto, são alguns dos ótimos filmes/documentários que tratam do assunto e são bem avaliados pela crítica. O último citado inclusive, é estrelado por uma das maiores estrelas de Hollywood, Russel Crowe, famoso por produções como Gladiador, Robin Hood e Uma mente brilhante.

Muito das produções envolvendo o assunto Cripto estão disponíveis gratuitamente no YouTube, no entanto, é questão de tempo para que grandes produtoras e principalmente Streamings, comecem a explorar esse universo.

Desenho Infantil lança sua própria coleção de NFTs e faz sucesso estrondoso

A VeVe, uma Exchange baseada em aplicativos para colecionáveis digitais, licenciou personagens da Sesame Workshop para desenvolver NFTs da Vila Sésamo pela primeira vez na história, apostando na nostalgia de um dos seriados infantis mais bem sucedidos da história.

A VeVe é de propriedade da empresa de tecnologia Ecomi, com sede em Cingapura, e já lançou no último domingo, dia 19 de março, seu primeiro item da coleção, que conta com o emblemático Cookie Monster ao lado de um forno.

De acordo com anúncio da VeVe, haverá 5.555 mil edições deste Token Não Fungível (NFT) disponíveis, ao preço de 60 dólares cada, ou seja, cerca de 300 reais.

A empresa diz que lançará mais colecionáveis virtuais da Vila Sésamo ao longo do ano, sendo cada uma das coleções apreciando os personagens icônicos da série.

Empresa por trás do projeto é reconhecida no mercado

A VeVe foi criada em 2018 e oferece NFTs baseados em marcas populares como Disney, Star Wars, Marvel e DC, o que lhe deu total credibilidade no mercado e que vem crescendo exponencialmente nos últimos anos.

De acordo com dados oferecidos pela mesmo, a VeVe teria vendido mais de 8 milhões de NFTs por meio de seu mercado móvel, um número surpreendente visto principalmente na atual conjuntura, onde nem os NFTs das marcas mais famosas resistiram a pressão do Inverno Cripto.

Além da coleção da Vila Sésamo, mais recentemente a plataforma lançou colecionáveis digitais baseados em Howard the Duck e Rambo, sendo todos eles seguindo um padrão de preço, na casa dos 50 a 60 dólares.

Os NFTs estão atualmente numa montanha-russa de ondas de hype desde que estouraram em 2020. A indústria infantil percebeu, no entanto, junto com marcas populares tardiamente que o público infantil ou até o nostálgico podia ser abraçado pelo assunto.

As previsões e avaliações do tamanho e escala do mercado de NFT variam, com os críticos decretando uma moda passageira. Mas outros relatórios indicam que há potencial de crescimento em áreas específicas, como essa, focada em um público mais jovem e até infantil, com um crescimento anual da receita do mercado em 30-35% até 2030.

Ainda não existem previsões nem nomes ventilados para próximas coleções a serem lançadas nesse nicho, no entanto, fãs já tem seus favoritos.

Nomes da Disney, Cartoon e Nickelodeon são os mais pedidos não só pelo público jovem, como os “Boomers” também, que se vêem mais por dentro do assunto cripto, e que desejam ativos não só valorizados, mas também divertidos e carismáticos apostando não só na valorização, mas também na coleção, que num futuro distante pode enfim servir de ativo.

Anatel certifica permissão de ataques e roubo de dados por TV box pirata

A Anatel realiza diversas ações para rebater o uso de produtos fora da homologação no país. Eles acabam gerindo uma cadeira de pirataria, que envolve TV boxes piratas e conteúdo reproduzido, além dos transmitidos ilegalmente em sites e canais na web.

Uma das ações foi um estudo que avalia a existência de backdoor, isto é, um método não documentado de comunicação, em aparelhos de streaming. De acordo com superintendente de Fiscalização da Anatel, Hermano Tercius, um grupo testou diversas TV boxes comercializados em comércios populares em duas etapas.

Com apoio obtido em conjunto com a associações da TV paga, Agência Nacional do Cinema (Ancine) e Polícia Federal (PF), a equipe registrou a existência de backdoors abertos por meio de aplicativos Android.

As TV boxes avaliadas têm a chance de ser utilizadas como “robôs” em campanhas de negação de serviço, orquestradas, por cibercriminosos contra páginas, plataformas, serviços ou redes que normalmente possuem milhões de usuários.

Acima de tudo, em dezembro do ano passado, a Anatel já havia notado a existência de malwares no modelo de TV box da HTV, em dezembro do ano passado.

Samsung exibe ferramenta que possibilita jogar na TV sem console

A Samsung demonstrou o Gaming Hub, recurso que possibilita jogar pela nuvem na TV, sem usar armazenamento ou realizar um download, no evento CES 2022, realizado na última quarta-feira (6), em sua sede em São Paulo. O recurso foi aplicado no início deste mês nas TVs da linha 2022 da marca.

O destaque, até então, é a Neo QLED QN90, que possui taxa de atualização de 144Hz. O jogo em ação foi o Forza Horizon 5, apropriado em TVs Samsung usando o Gaming Hub. A princípio, segundo o site Olhar Digital, o game apresenta fluidez, sem lags ou atrasos.

Em entrevista ao site, Guilherme Campos, gerente de TVs da Samsung Brasil, apontou que a marca possui 200 milhões de TVs instaladas no mundo, isto é, o potencial da aba é gigantesco. No Samsung Gaming Hub no Brasil, estão disponíveis o Xbox Game Pass Ultimate, o Nvidia GeForce Now e a Twitch.

Segundo a Samsung, alguns controles compatíveis tem como inspiração o Xbox e Dual Sense. Joycons do Nintendo Switch, desconsiderado oficialmente compatível, também pode ser usado como controle Bluetooth.

YouTube divulga recurso exclusivo de interatividade entre aparelhos

Na última quarta-feira (1°), o YouTube revelou uma novidade em seu blog oficial. A plataforma de compartilhamento de vídeos anunciou um recurso que vai possibilitar uma conexão direta entre televisão e celular (Android ou iOS). Intitulada de “YouTube para a sala de estar”, a ferramenta elimina a precisão do uso de controles remotos e de navegadores de internet nas TVs.

A atual tendência leva em consideração os dados de que mais de 80% dos usuários assistem televisão com o celular na mão. Por causa dessa fator, a nova ferramenta possibilita o acompanhamento dos vídeos na tela grande e a realização de outras ações na telinha.

O passo a passo para adaptação à nova aba começa no acesso a conta do YouTube nos dois dispositivos. Em seguida, é preciso abrir o aplicativo do site no celular e clicar em “conectar” na caixa aberta automaticamente.

Posteriormente, tanto o telefone quanto a TV estarão simultaneamente sincronizados. Pronto! Agora, já é possível conectar diretamente com o vídeo que está em exibição na TV, de modo direto do celular.

Em decorrência do novo recurso, vai ser mais fácil acompanhar as descrições dos vídeos, escrever comentários, compartilhar com outros usuários, além de curtir os canais pelo celular. Ao mesmo tempo, o vídeo continua em reprodução normalmente na TV.