Série de TV mostra que jovens podem invadir sistema de Criptomoedas; Entenda

Surfando na onda de popularidade das Criptomoedas, a Amazon lançou recentemente em seu serviço de streaming, o Prime Video, uma nova série original apresentando uma história sobre jovens que começam uma “briga” envolvendo Criptomoedas com o sistema financeiro tradicional.

A série “Coin Digger”, ou como foi traduzida no Brasil, “Mineradores Digitais”, é uma produção de origem tailandesa que conta uma história real de um grupo de jovens que, em 2019, tentaram derrubar o antigo sistema financeiro do país baseado em moeda fiduciária usando suas próprias Criptos.

Coin Digger ainda trata de um plano de fundo que mostra os primórdios das Criptomoedas na Tailândia, quando o bilionário do ramo imobiliário, Trin, é um dos poucos que se interessam por esse mercado no país asiático. Enquanto do outro lado da moeda, Bank, um misterioso aluno do MIT, procura uma equipe para ajudá-lo a construir uma plataforma Cripto.

Todos os episódios da primeira temporada da produção já estão disponíveis na plataforma.

Outras séries sobre Criptomoedas em Streamings

Recentemente, grandes empresas do mercado global de filmes começaram a se concentrar nos trabalhos mais importantes nos mercados de criptomoedas, blockchain, NFT e metaverso. Isso deixa amplo espaço para produção independente. Seja qual for o estúdio, a verdade é que não faltarão filmes e documentários sobre o tema em 2024.

Nomes como Rise of The Bitcoin, Magic Money e Crypto, são alguns dos ótimos filmes/documentários que tratam do assunto e são bem avaliados pela crítica. O último citado inclusive, é estrelado por uma das maiores estrelas de Hollywood, Russel Crowe, famoso por produções como Gladiador, Robin Hood e Uma mente brilhante.

Muito das produções envolvendo o assunto Cripto estão disponíveis gratuitamente no YouTube, no entanto, é questão de tempo para que grandes produtoras e principalmente Streamings, comecem a explorar esse universo.

Investidor ganha mil reais em Bitcoin após resolver quebra-cabeça; Entenda

Ganhar criptomoedas grátis é o desejo da maioria dos investidores. Principalmente para quem atualmente tem pouco ou nenhum investimento, R$ 1.000 em Bitcoin (BTC) pode ser um belo bônus. Esse é o valor fornecido pela BitPreço, empresa brasileira de comércio de criptomoedas. No misterioso quebra-cabeça divulgado pela empresa, quem responder corretamente ao desafio levará para casa 0,0069 (BTC).

Desafios envolvendo criptomoedas gratuitas não são incomuns. Embora a maioria das campanhas tenha um alto nível de dificuldade, algumas campanhas foram realizadas para distribuição de criptomoedas.

Entenda como funcionou o desafio

Menos complexo do que se imaginava, aqueles que desejavam entrar na disputa pelo prêmio em BTC (Bitcoin) oferecido pela empresa, deveriam ter de descobrir doze palavras. Essas palavras estavam no quebra-cabeça publicado pela plataforma com as regras do jogo. Além disso, a BitPreço informou que dicas valiosas seriam publicadas através das redes sociais da empresa, como uma espécie de enigma.

Através dessas dicas, os usuários também podem encontrar palavras no jogo. A 12ª palavra, por outro lado, não faz parte do quebra-cabeça, segundo o BitPreço. O grupo alegou que esta última frase foi enviada para pessoas que se cadastraram na plataforma. Porém, de acordo com o lançamento do jogo, a notícia também deve vir por e-mail para usuários anteriores.

Essa não foi a primeira ação realizada pela Bitpreço que “distribui” Criptomoedas para seus usuários. Em 2019, quase que no mesmo estilo de enigma e quebra-cabeça, a empresa também presenteou um sortudo com Bitcoin após a resolução de um de seus jogos.

Marca de relógios cria sua própria coleção de NFTs

Casio (CSIOY) anunciou uma parceria com Polygon Labs baseado em Ethereum. A colaboração resultou no lançamento de relógios virtuais G-SHOCK no protocolo baseado em Polygon (MATIC), lançando uma série baseada em NFTs (Non-Fungible Tokens).

A partir de 23 de setembro de 2023, os fãs da marca G-SHOCK e da tecnologia blockchain terão a oportunidade de reivindicar um dos 15.000 passes de criador do G-SHOCK, todos com tecnologia NFT. Cada passe fornecerá acesso exclusivo ao canal Discord dedicado ao projeto, proporcionando uma experiência única e envolvente.

Como adquirir os NFTs da Casio de graça

Para usuários que já estão cadastrados como clientes Casio e possuem um CASIO ID em seu site de adesão, a fase de pré-distribuição acontecerá entre os dias 23 e 26 de setembro. Isso dará aos usuários da Casio uma vantagem inicial na aquisição desses tokens.

A fase de oferta pública está prevista para ocorrer de 26 a 29 de setembro para disponibilizar esses ativos digitais a um público mais amplo.

Takahashi Oh, gerente geral sênior da divisão de relógios da Casio, disse que com o surgimento da Internet descentralizada (Web3), a demanda das pessoas por experiências virtuais continua a crescer.

Neste sentido, este movimento visa abrir novos segmentos de mercado e introduzir a marca G-Shock, que já vendeu mais de 100 milhões de dispositivos desde o seu lançamento em 1983, no mundo das interações virtuais e online. Portanto, o projeto baseado em NFT pretende envolver a comunidade no desenvolvimento desses acessórios virtuais vestíveis.

Oh mencionou ainda que o objetivo do projeto Virtual G-Shock é aumentar a influência da marca G-Shock nos campos virtual e Web3. Seu objetivo é promover uma cultura onde os avatares usem relógios (principalmente G-Shocks) de maneira semelhante ao mundo real. Através deste projeto de cocriação, a Casio espera envolver fãs e colaboradores virtuais para concretizar a visão do Virtual G-Shock.

Confira quais são os 3 Jogos NFT mais esperados de 2023

Com o universo Cripto/Web3 voltando a tona no segundo semestre de 2023, a onda dos games P2E (Play to earn) ou Jogos NFT voltou com tudo a cena de investimentos virtuais.

Estilo de ativo que durante a pandemia foi um dos grandes destaques do universo web3, os Jogos NFT tem tido como objetivo no entanto provar que não são visados apenas no lucro e que também funcionam como meio de diversão, tal qual qualquer Game de console ou PC. Esse movimento se deu junto à queda do mercado Cripto, no qual empresas focadas nesse estilo de empreendimento, tiveram de se adaptar focando não totalmente em “lucro”.

Agora próximo ao fim de 2023, a situação do mercado de Criptoativos parece mais consistente, e o temido “Inverno Cripto” já não está no seu auge. Sendo assim, pode-se voltar às atenções aos Jogos P2E, conferindo os 3 mais esperados pela comunidade que ainda vão ser lançados esse ano:

Illuvium

Já parte de uma franquia que atualmente conta com 4 games, Illuvium surge no mercado como um RGP de mundo aberto com elementos de combate ao estilo dos antigos games de Pokémon, com batalha de turnos envolvendo personagens que você “coleta” ao longo de sua jornada. Com destaque para os gráficos que cada dia mais se tornam prioridade na categoria de Jogos NFT, Illuvium ainda está na sua fase beta, sem data determinada para seu lançamento oficial, que no entanto está previsto ainda para 2023.

A parte do NFT entra como elemento no jogo a partir justamente da obtenção de personagens, que utiliza da tecnologia Immutable X para vender os ativos em forma de loot box. Tais “drops” podem ser obtidos com a Criptomoeda oficial do jogo, a ILV, disponibilizada na própria plataforma do Game.

Symbiogenesis

Uma das grandes desenvolvedoras de games nesse século, a Square Enix, responsável pela criação de jogos aclamados como Final Fantasy e Dragon Quest, está trazendo seus recursos de desenvolvimento de jogos de RPG para o mundo Web3 com Symbiogenesis, que é descrito como uma experiência narrativa estratégica construída em torno de NFTs. Lançado na rede Polygon, a segunda camada da rede Ethereum, o game vem sendo uma grande aposta da Square Enix, que passou meses divulgando detalhes sobre a experiência, compartilhando arte conceitual que transmite uma “vibe” Final Fantasy, bem como um vislumbre da foto de perfil NFT (PFP) que fará parte da experiência.

Ambientado num cenário distópico de um desastre pós-ambiental, o game parece adequar-se aos pontos fortes dos cineastas da produtora. No momento, porém, não se sabe como será o visual de fato e principalmente a jogabilidade, mas espera-se que seja uma experiência emocionante de acordo com pronunciamentos divulgados por pessoas envolvidas no projeto.

Symbiogenesis assim como Illuvium ainda não tem data de lançamento, no entanto, a expectativa é de que no máximo até o início de 2024, o game seja lançado.

Shrapnel

Shrapnel é um jogo de extração FPS de ficção científica ainda em desenvolvimento que oferecerá ativos no jogo na forma de NFTs, bem como muitas oportunidades para criar conteúdo Web3 gerado pelo próprio usuário.

De acordo com os anúncios até aqui, o conteúdo do Shrapnel será negociável graças à funcionalidade GameBridge, com o jogo usando de sua própria sub-rede Avalanche e token SHRAP.

Shrapnel ofereceu recentemente testes de acesso antecipado na GDC em março e no Consensus em abril. Até agora, a jogabilidade foi descrita por aqueles que testaram como “excelente e cinematográfica”, tornando-o um dos jogos baseados em criptomoedas com maior audiência até hoje em eventos testes.

Lançamento de Barbie aumenta o número de golpes com Criptomoedas; Entenda

Barbie, a boneca mais famosa do mundo ganhou seu próprio filme recentemente e desde sua estreia no último dia 20, já se provou um dos maiores (senão o maior) sucesso cinematográfico do ano até então. O longa dirigido por Greta Gerwig, no entanto, começou a se fazer popular não somente no nicho dos fãs da sétima arte ou da boneca, mas também dentre os investidores em Criptomoedas.

Assim como a maioria das ações dentro da cultura pop que estouram a bolha e vão para o mainstreaming, o filme da Barbie está sendo utilizado como pretexto por ciber-criminosos para aplicar golpes Cripto na internet.

Golpe com Memecoins da Barbie

A grande maioria das Criptomoedas que surgem de filmes, séries, videogames e diversos outros elementos da cultura pop aparecem como Memecoins, que são ativos apoiados num fator que está “hitado” no momento, servindo assim como um investimento de curto prazo, aproveitando o hype do assunto.

Apesar de existir sim iniciativas como essa que são de fato legítimas, os casos recentes de Memecoins da Barbie foram expostos por diversas plataformas de investidores como golpe na certa.

De acordo com pesquisas feitas por especialistas, até agora, já foram identificados mais de 30 golpes com criptomoedas envolvendo “Barbie”, disponíveis na internet, à procura de possíveis vítimas.

Um dos sites mais populares que faz essa filtragem no mundo de investimentos virtuais, o Token Sniffer, realizou uma auditoria entre os principais tokens criados em homenagem à Barbie, como barbie inu, ken, barbie swoon, barbie swap e barbie pink, e a maioria já aparece golpes explícitos.

Como evitar golpes Cripto

Segundo especialistas, a melhor forma de prevenir golpes como esse é ver a procedência das chains que estão por traz das produções desses ativos, além de procurar entender bem do assunto antes de começar uma empreitada de investimentos na Web3.

Em nota oficial, uma das especialistas do site Token Sniffer, Olga Svistunova, explicou ao público como funciona golpes desse tipo.

“Estreias e eventos grandes como filmes tão esperados trazem uma onda de expectativa, mas, em meio à emoção, é crucial que os usuários permaneçam alertas e sigam as regras básicas de segurança online. Ao manter uma mentalidade vigilante e praticar hábitos online seguros, podemos aproveitar ao máximo a experiência da Barbie e Oppenheimer, nos protegendo das ameaças cibernéticas que espreitam no mundo digital”, analisou Olga.

Hackers da Coreia do Norte aplicam golpe milionário envolvendo Criptomoedas

No início desta semana, uma notícia envolvendo um Ataque Hacker abalou o mercado de Criptomoedas da Ásia. Isso porque, teria sido divulgada a informação de que grupos de hackers ligados à Coreia do Norte roubaram mais de 721 milhões de dólares em Criptos do Japão desde 2017.

A notícia foi informada pelo jornal de negócios ‘Nikkei’ na segunda-feira, citando pesquisa do provedor britânico de análise de blockchain Elliptic. O valor corresponde a 30% de suas perdas totais em todo o mundo, informou o jornal.

O relatório veio depois que os ministros das finanças do G7 e os governadores dos bancos centrais disseram em comunicado no último sábado, dia 13, que apoiam medidas para enfrentar a crescente ameaça de atividades ilícitas de atores governamentais, como o roubo de criptoativos.

Grupos ligados ao governo norte-coreano roubaram um total de 2,3 bilhões (mais de 10 bilhões de reais) em criptomoedas de empresas ao redor de todo mundo entre 2017 e 2022, segundo a Elliptic.

Em abril, o Departamento do Tesouro dos Estados Unidos alertou que cibercriminosos norte-coreanos, incluindo espalhadores de ransomware, ladrões e fraudadores, estavam usando serviços financeiros descentralizados (DeFi) para enviar dinheiro e lavar dinheiro.

As chamadas plataformas DeFi permitem serviços financeiros usando criptoativos e stablecoins sem passar por bancos.

Especialistas apontaram vulnerabilidade no sistema global de Criptomoedas

Em uma nova avaliação de risco do financiamento ilegal de plataformas DeFi, o Departamento do Tesouro Americano descobriu que os criminosos estão explorando vulnerabilidades nos sistemas financeiros para combater a lavagem de dinheiro e o combate ao terrorismo, tanto no país quanto no exterior.

De acordo com o estudo, os serviços DeFi que não cumprem os regulamentos AML/CFT apresentam os maiores riscos financeiros do setor.

O Brasil não foi citado em nenhum desses documentos de forma específica, no entanto, sendo um dos países com a comunidade mais ativa no mercado de Criptomoedas, é de se esperar que sim, o território brasileiro também não esteja seguro de ataques cibernéticos envolvendo investimentos no mundo digital.

Fan Tokens; Conheça 4 opções de investimento da Cripto Esportiva

A principal liga de futebol do mundo logicamente também é lar de diversos dos grandes times do planeta. Ricos e vitoriosos, é de se esperar que estejam envolvidos em projetos tecnológicos, e de fato é o caso. Na onda dos Fan Tokens, nem a Premier League que trata com rigor a entrada de patrocínios ou qualquer forma de expressão de ativo digital, foi possível escapar da febre.

Os ativos digitais que prometem substituir o sócio torcedor tem como objetivo criar um vínculo maior entre time e torcida, fazendo com que os fãs participem de forma mais ativa no dia a dia do clube, se sentindo mais importante para a instituição do que estar apenas no estádio gritando.

Empunhando um Fan Token, além de fortalecer financeiramente o clube do coração, o adepto ganha privilégios e benefícios que vão de excursões a treinos e promoções em artigos da equipe, até votações para uniforme, música de entrada no estádio e modelo da braçadeira de capitão.

Sendo assim, confira 4 tokens utilitários presentes em grandes times da Premier League.

1- Manchester City

Um dos grandes times da atualidade do futebol europeu e mundial, o time do Manchester City ganhou toda sua projeção a pouco mais de uma década, após ser comprado por um fundo de investidores de sheik do Oriente Médio.

De lá para cá os Citizens empilharam títulos e contratações milionárias, além de grandes investimentos para aumentar ainda mais sua fortuna.

Os Fan Tokens foram um desses investimentos que deram certo e até hoje geram lucro.

O $City, atualmente vale cerca de 5 dólares, mas em certo momento já chegou a custar 20 dólares.

Em parceria com a gigante do segmento, a Socios, a equipe foi uma das primeiras inglesas a entrar nesse mercado a pouco mais de 3 anos.

2- Leeds United

Equipe das mais simpáticas e tradicionais da Inglaterra, o Leeds é um dos clubes de “menor expressão” que promovem a introdução de sua torcida no ambiente digital com investimentos no ramo.

O LUFC, token oficial da equipe, foi muito bem aceito pela sua torcida, no entanto, não ganhou a projeção internacional e até nacional que tokens como o do City tomaram.

Sendo cotado em pouco menos de 1 dólar, o Fan Token em alta chegou a valer cerca de 4 dólares.

Também em parceria com a Socios.com, o projeto foi anunciado com o foco em promoções para os torcedores, que comprando os tokens jogavam quizzes sobre a história do Leeds que o colocariam como concorrentes a diversos prêmios.

3- Arsenal

O gigante de Londres é mais um de dentro do “Big Six” (como são chamadas as 6 principais forças da Inglaterra) a contar com seu próprio Fan Token.

Lançado perto do fim de 2021, apesar do bom projeto, o Fan Token dos gunners ficou marcado pela polêmica de ter suas propagandas proibidas em todo o país.

Isso porque, de acordo com associações de futebol da terra da rainha, o clube vinha fazendo propagandas que incentivam seu torcedor a colocar dinheiro em um investimento de risco, o que não é permitido por lei.

Apesar do imbróglio, tudo se resolveu em algumas semanas, e atualmente a moeda é cotada em 1,64 dólares.

O AFC passa pelo mesmo problema da grande maioria dos Fan Tokens da Socios, a desvalorização por conta do inverno cripto.

4- Aston Villa

Mais um Token nativo da rede Socios, o AVL, Fan Token do Aston Villa, é um dos poucos da Inglaterra dentro da “bolha” de times médios que mostrou uma certa valorização nas últimas semanas.

Apesar de passar por um momento de coadjuvante na Premier League, o Villa é um dos clubes mais importantes da Europa. 7 vezes campeão do campeonato inglês e duas vezes da Champions League, a equipe de Birmingham tem o aumento na venda de seus tokens relacionado ao sucesso do time no mercado de transferência. Já que atualmente fechou com boas promessas do esporte além de medalhões que já disputaram Copa do Mundo, como o craque brasileiro Phillipe Coutinho.

Apesar de ainda não bater 1 dólar de valorização, o AVL subiu mais de 2% por semana nas últimas 4, conforme o time foi apresentando mais reforços.

Grande Equipe do Futebol Europeu paga seus atletas em Bitcoin; Entenda como

Talvez um dos precursores da “moda” que hoje está presente em grande parte das modalidades Esportivas, o AZ Alkmaar, um dos principais clubes de futebol holandeses conta com um projeto que faz com que seus jogadores, tenham a possibilidade de receber pagamentos em Bitcoin.

Através de uma parceria com a exchange de criptomoedas Bitcoin Meester, o clube passou como uma das cláusulas do contrato a oferecer parte dos salários na principal criptomoeda do mundo.

A Bitcoin Meester além da iniciativa com Bitcoins no AZ, participa diretamente em programas de ativação para a equipe, que na última temporada chegou às semis Conference League, a nova competição da UEFA que traz a campo uma reunião daqueles que são considerados o “terceiro escalão” da Europa.

Apesar de pioneiro em um segmento que apesar de interessante e em partes até vantajoso, o AZ até hoje não conta com um dos serviços que atualmente se tornou comum dentro do futebol, os Fan Tokens.

Presentes nas maiores equipes do mundo, os Fan Tokens são uma forma de aproximar a torcida do time do coração, através de iniciativas que promovem a inclusão do público em um ambiente de compra de ativos e Web3.

O AZ conta com a 4° maior torcida da Holanda, atrás dos três gigantes do país e da Europa, Feyenoord, PSV e Ajax. Tema que traz ainda mais a tona o debate do porque o time não possui seu próprio FTO (Fan Token).

Confira quanto ganham os jogadores em Bitcoin

Apesar de não ter uma das folhas salariais mais valiosas do Campeonato Holandês, muito menos de toda Europa, o AZ tem de bancar seus milhões de Euros anuais para manter seus jogadores.

Assim como a maioria dos times holandeses, o AZ é conhecido por um time jovem, que consequentemente, ganha menos, tendo os medalhões como os mais bem pagos.

Esse é o caso de Clasie, volante da equipe, de 31 anos e com experiência na Premier League e até mesmo na seleção nacional, que conta com o maior salário do plantel.

O atleta ganha anualmente na casa dos 1,1 milhões de euros por ano, mais de 7 milhões de reais segundo conversão atual.

No entanto, se esse valor for transferido para Bitcoins, ficaria algo em torno de 49 BTC (Bitcoin). Semanalmente, que é como costuma se receber no velho continente entre os atletas de futebol, Clasie recebe 0,96 BTC.

Atrás de Clasie está outro “veterano” no elenco, que pode ter a alcunha de mais experiente com apenas 24 anos, em um time de 21 anos como média de idade.

O sueco ganha anualmente 790 mil euros e semanalmente 15 mil. Convertidos para Bitcoins, esses valores iriam para 34 e 0,66 BTCs, respectivamente.

Fechando o top 3 dos salários mais altos do AZ Alkmaar, está Martins Indi, zagueiro de 31 anos que foi titular da seleção holandesa que ficou em terceiro lugar na Copa de 2014 disputada no Brasil.

O jogador ganha 600 mil euros anuais, pouco mais de 3,2 milhões de reais. Semanalmente, 11 mil euros (58 mil reais). Transferidos para Bitcoin, Martins Indi recebe algo em torno de 26,9 BTC anuais e 0,48 Bitcoins semanais.

Ethereum ou Bitcoin? Veja em qual Cripto você deve investir

As duas criptomoedas mais relevantes e valiosas do mundo, competem entre si diariamente testando qual será mais bem sucedida no futuro, que é o foco dos investimentos em ativos digitais como esse. Atualmente com uma vantagem enorme do Bitcoin, que mesmo com todas as crises segue como maior cripto do mercado, o ETH (Ethereum) corre atrás e também faz provar seu valor, sendo a Cripto mais utilizada quanto a negociações. No entanto, outro fator importante a ser considerado a não ser o lucro, é a segurança.

Para medir o quão seguro é cada Criptomoeda, especialistas analisam o quanto da própria Criptomoeda seria necessário para um ataque ao sistema.

Sendo assim, para realizar um ataque de 51% a rede Ethereum, seria necessário acumular ETH suficiente para ter 51% da potência da rede, ou seja, um valor quase que inalcançável.

Já quanto ao Bitcoin, além do gasto com todo o equipamento valioso de mineração da Cripto e uma logística de transporte e armazenamento, para se apoderar de 51% da rede, também em tese seria considerado inalcançável, já que é praticamente impossível obter 51% do poder de processamento da rede BTC (Bitcoin). Para se ter uma noção, para atacar a rede de Bitcoin, o hacker teria que desembolsar mais de 10 bilhões de dólares, cerca de 50 bilhões de reais.

Ethereum desponta como Cripto mais segura do mercado

Recentemente, o Ethereum passou por um processo de “atualização” que foi o maior de sua história. Nele, muitas de suas especificações e programação passaram por mudanças, ganhando o nome de The Merge.

Junto dessas mudanças, talvez uma das de maior destaque se dá pela mais nova segurança do Ethereum, que foi dobrada apos a atualização.

Tal melhora agora se dá pela mudança de Prova de Trabalho (PoW) para Prova de Participação (PoS).

Esse fator fez com que o custo para atacar a rede de ETH seja o dobro do necessário para atacar o Bitcoin, ou seja, mais de 20 bilhões de dólares (100 milhões de reais).

Mesmo com o BTC possuindo inúmeras pools de mineração em todo o mundo, a sua rede acabou se tornando mais vulnerável do que a do Ethereum.

Em conclusão, apesar da desvalorização recente de todo o mercado de Cripto Ativos causado pelo ‘Inverno Cripto‘, ainda existe segurança em investir em Criptomoedas, desde que seja em coins como o BTC e o ETH, que até por estarem no topo desse mercado, são referência quanto a segurança de transações e portabilidade.

O Ethereum no momento após o The Merge se destaca, e ganha ainda mais força de uso por conta da segurança contar com o fator de alta taxa de utilização da moeda, seja para compra de NFTs, investimentos ou até mesmo em Jogos Blockchain.

Especialistas apontam o futuro das Criptomoedas e NFTs

Mercado que a cada dia cresce de produção e rendimento, os NFTs atrelados aos esportes vem ocupando um grande espaço no coração (e no bolso) dos investidores em ativos digitais. Em franco crescimento, essa modalidade de tokens não fungíveis se destaca seja através de coleções ou Fan Tokens, tokens utilitários que até certo ponto são NFTs. Tudo isso, segundo a consultoria de finanças Nielsen, leva a um caminho inevitável, investimentos com caminhões de dinheiro.

De acordo com a respeitada empresa de Consultoria de Investimentos, as empresas ligadas a Web3 presente nos esportes devem investir até 2026 mais de 5 bilhões de dólares, algo em torno da casa dos 26 bilhões de reais segundo cotação atual.

O relatório de marketing esportivo da Nielsen de 2023 aponta inclusive que torcedores serão um dos principais fatores que levarão ao sucesso os patrocínios com criptomoedas.

O relatório ainda projeta que os investimentos em patrocínios de empresas web3 nos esportes aumentará mais de 700% em comparação ao ano passado, ultrapassando setores consolidados e fundamentais no mundo como um todo, como é o caso da tecnologia, que prevê um aumento de mercado de 44%, muito inferior ao de patrocínios esportivos com Criptomoedas/NFTs/Fan Tokens.

Além da tecnologia, o segmento supera o de empresas automobilísticas, indústrias e até mesmo a energia.

Investimento Cripto no Esporte pode ser solução do futuro

Assim como uma bola de neve, quanto mais cresce de tamanho a influência do setor de investimentos web3 no esporte, mais cresce as vertentes relacionadas.

Exemplo disso e, que já dá sinais agora, são os NFTs ou artigos no geral relacionados a ídolos do esporte.

Ainda segundo estudo da Nielsen o aumento da procura e “confiança” do público amante de esportes em cima de ídolos subiu exponencialmente.

De acordo com relatório, mais de 26% dos fãs de esporte buscam notícias, redes sociais e itens personalizados de seus ídolos em respectivos esportes.

A subida nesse segmento garante ainda mais conteúdo para a produção de Tokens Não Fungiveis e ativos digitais que impulsionam momentos de confraternização e aproximação da torcida com o ídolo.

Especialistas dizem inclusive, que essa “paixão” pelos atletas podem até ser mais representativas do que com entidades e são uma ótima maneira de se conectar com os patrocinadores que mantêm acordo com as devidas lendas.

Um exemplo desse levantamento que já se prova recente, é a subida no hype de coleções de tokens não fungíveis como a Autograph.io. O marketplace, gerido através de uma iniciativa do astro da NFL Tom Brady, reúne em cards, autógrafos de grandes lendas que já passaram ou ainda se mantêm nos esportes. Como é o caso de Simone Biles, Tiger Woods, Wayne Gretzky, além do próprio Tom Brady.

O apego afetivo criado em cima da coleção, já que possui uma assinatura verificada digitalmente pelos atletas, traz mais público, principalmente daqueles que além do lucro, buscam uma coleção de itens que em breve se farão escassos.