14.5 C
São Paulo

Cerca de 90% das aves marinhas possuem plástico no organismo

É Pop!

 

Um estudo publicado na revista Proceedings, da Academia Nacional de Ciência da Inglaterra, revelou a estimativa de que 9 em cada 10 aves marinhas estão contaminadas com resíduos plásticos dentro de seu organismo. A pesquisa foi realizada por cientistas do Imperial College London e da Organização para a Pesquisa Industrial da Comunidade da Austrália (CSIRO). A equipe investigou 186 espécies diferentes para poder realizar as análises.

Pesquisadores descobriram que 9 em cada 10 aves marinhas possuem algum tipo de resíduo no seu aparelho digestivo. Em comparação com pesquisas dos anos 60, apenas 5% dos animais analisados estavam contaminados. (Foto: iStock)

As águas do planeta estão poluídas com milhares de detritos plásticos e os pássaros acabam confundindo o material com comida. Por conta disso, pesquisadores descobriram que cerca de 90% das aves marinhas possuem algum tipo de resíduo no seu aparelho digestivo. O número é alarmante, se comparado com pesquisas dos anos de 1960, quando apenas 5% dos animais analisados estavam contaminados.

Uma das pesquisadoras do CSIRO, Denise Hardesty, revelou, em entrevista a agência de notícias Associated Press, que já chegou a encontrar de tudo dentro do corpo dos animais, desde tampinhas de garrafa até isqueiros. “Cheguei a examinar um pássaro que continha quase 200 pedaços de diferentes tipos de plástico em seu organismo”, contou.

Segundo a pesquisadora Denise Hardesty, ela já chegou a encontrar de tudo dentro do corpo dos pássaros, desde tampinhas de garrafa até isqueiros. (Foto: Divulgação/Chris Jordan)

As previsões com relação ao problema não são nada positivas. Segundo o estudo, desde que produção comercial do material começou a se popularizar, na década de 50, ela vem crescendo em ritmo acelerado e, com isso, também há o aumento do nível de poluição.

Segundo Denise, lidar com o problema do plástico não é uma tarefa complicada e impossível de ser solucionada. “Medidas simples podem fazer a diferença”, conta. “Os esforços mantidos pela Europa, para reduzir o descarte indevido de materiais plásticos no meio ambiente, resultou em mudanças significativas em menos de uma década. O que sugere que as melhorarias na gestão básica dos detritos pode reduzir a poluição em um período de tempo muito curto”. No entanto, ainda falta vontade dos governos em prestar mais atenção ao problema.

comente
- Advertisement -spot_img

Leia também

- Advertisement -spot_img

Últimas Notícias